18
Abr 11

Por vezes dou por mim a encarnar uma personagem que se afasta do meu verdadeiro eu...não sei se por medo de não ser aceite ou por proteção, a verdade é que por vezes também acho que as pessoas não me querem conhecer tal e qual como sou...

Insegurança minha que faz com que tente agradar a tudo e todos, erro meu quando isso faz com que me anule cada vez mais... Não sou uma boazinha que não faz mal a uma mosca mas também não sou feliz só por me vingar dos outros e muito menos sou pessoa de desejar o mal dos outros. No entanto, muitas vezes quis ser inflexível não dar hipótese a quem já me magoou, ser confiante o suficiente para decidir que não devem fazer parte da minha vida...falta-me essa confiança de que sou bem capaz de sobreviver sozinha. E sei que sou capaz porque tenho sobrevivido, mas lá no fundo sinto a falta de algo...não sou feliz assim sozinha. Preciso de amigos e de companhia para me sentir satisfeita e é essa dependência que me faz pensar em dar uma oportunidade aos que algum dia não mostraram ser dignos da minha confiança. Estou neste vai-e-vem de dúvida...

Neste momento sinto que os que estão mais próximos não me compreendem e que não me aceitam como realmente sou, são pessoas fantásticas e que me ajudam sempre mas que na realidade não são aquelas pessoas com quem me sinto à vontade para ser eu própria, e isso entristece-me, faz-me pensar que não sou suficientemente boa.

(Correndo o risco de parecer uma adolescente em crise) Noutra vertente que me faz questionar o valor da minha pessoa, como é possível um homem me dizer que sou fantástica, que qualquer um faria tudo para me ter, que se me conhecessem realmente os teria a meus pés e que ele é que é burro por não aproveitar o que tem...mas a verdade é que ele conhece-me e nada foi suficiente para ele ficar a meu lado. E aí pergunto: Mas interessa quem realmente eu sou? Ou o que interessa são as aventuras? Eu vou escolher as aventuras porque simplesmente cansei-me de ser a excelente amiga, que por acaso até pensava que aquilo era muito mais que uma amizade mas que no dia em que ele se cansou percebeu que eram tudo ilusões da sua cabeça.

Portanto agora sou eu que quero apenas os beneficios, não quer chatices nem ter que dar explicações do que faz ou não faz...estou a aprender a ser livre e a não pensar vinte mil vezes no que devo fazer...apenas faze-lo.

 

Jinho

publicado por Alice às 10:55
sinto-me: a precisar de arejar

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
16

17
19
21
22
23

24
29
30


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

favoritos

E é isto.

blogs SAPO